Depois de um dia super intenso no evento, chegamos super animados pro segundo e último dia de ProXXIma. Não podemos deixar de agradecer a Squid, pela super parceria e pelo convite para estar no ProXXIma!

Se você não viu o post da nossa cobertura do primeiro dia, clique aqui e confira!

Começamos a quarta-feira com uma palestra sensacional:

MÍDIAS SOCIAIS, O FENÔMENO HATER E NOSSOS VÍCIOS CONECTADOS

A sociedade contemporânea tem novos vícios. Digitais, a maior parte deles, explodindo globalmente nas mídias sociais. Haters ganham protagonismo. Como ser relevante nesse mundo online de conflitos em tempo real?
Brian Solis – Futurista e Principal Analista, Altimeter Group (EUA)

Uma curiosidade sobre a palestra. O Brian começou a escrever o 8º livro dele, mas ainda não conseguiu terminar, pois as coisas mudam muito rápido. Como acompanhar o ritmo das transformações?

Por isso o foco é entender o comportamento das pessoas no uso das redes sociais, pois só assim sua marca poderá aproveitar bem estes canais. Enquanto você estiver focado em tecnologias, o comportamento das pessoas estará mudando e você não vai conseguir atingir a sua audiência da melhor forma.

Entenda e estude sobre o comportamento das pessoas.

As redes sociais fazem com que seja muito difícil respirar, ela nos tira o foco. A nossa falta de concentração é muito perceptível.

“Eu estava escrevendo um livro e acabei escrevendo um artigo no meu blog sobre distração e falta de foco.”

No mundo onde todos tem acesso a tudo, aos melhores filtros, agora estamos dependendo da tecnologia para nos expressar e sermos criativos? Quanto mais a gente consome coisas, menos a gente cria, compartilhar não é criar. O ato de compartilhar, passou a ser obrigatório para quem cria. Já parou pra pensar nisso?

Qual foi a última vez que você sentou e não fez nada?

A vida vale ser compartilhada mas também precisa ser vivida. Temos que usar a tecnologia para ser útil e que traga mais benefícios para todos e não o contrário.

Imaginem um dia sem bateria? Estamos começando a nos tornar uma sociedade de narcisistas, pois pensamos que precisamos mostrar tudo que estamos fazendo para ter validação social. Curtidas se tornaram moedas.

Nós medimos o quanto somos bons, pelo quantidade de seguidores e curtidas. Se você não recebe muitas curtidas, você apaga certo? Pois não é legal, compartilhar algo que as pessoas não demonstraram que gostaram.

(sim, essa palestra mexeu bastante com a nossa cabeça)

Em meio a uma era digital, passamos dos limites e paramos de compartilhar uma vida que costumava ser real.

Ninguém nos ensinou como equilibrar a tecnologia com a vida real. Ninguém ensinou o que fazer quando você se torna um pouquinho famoso na internet. Não é mesmo?

Estamos mudando até as ruas por causa do celular. O digital está interferindo de forma drástica na vida real. E nem sempre isso acontece para melhorar a qualidade de vida.

Quando abrimos as redes sociais temos muitas notificações, elas foram criadas de propósito, pois ao vê-las nosso corpo ativa 6 estímulos de prazer e relaxamento e por isso que não conseguimos deixar de usar.

Você sabia que a tecnologia está mudando o seu cérebro?

A nossa forma de viver, com o contexto de hiperconectividade que nos encontramos atualmente, o nosso cérebro mudou a forma de operar e se conectar. Isso acontece por conta da Neuroplasticidade. Calma, vou te explicar.

A Neuroplasticidade é a capacidade do nosso Sistema Nervoso mudar e se adaptar às condições em que vivemos. Isso acontece de forma estrutural e funcional. Ou seja, se você é uma pessoa super conectada, o seu cérebro irá mudar a forma de funcionamento, para acompanhar o seu ritmo de vida. A tecnologia, por exemplo, tem o poder de nos deixar sem foco e com dificuldades de nos concentrarmos em uma única tarefa por mais tempo. Isso não é uma simples distração, é o seu cérebro.

Esse assunto já está na pauta de grandes líderes atuais:

A tecnologia está acabando com nossa capacidade de ter um mergulho mais profundo em nossa consciência, pois estamos esperando pelas informações e não mais indo atrás delas. Às vezes você nem recebeu uma notificação, mas pega o celular, pois está acostumado a fazer isso muitas vezes no seu dia.

É o momento de entendermos as consequências que o uso das redes sociais traz para a nossa saúde e para as nossas vidas. Criou-se a erosão da auto estima, pois nos comparamos todos os dias a muitas pessoas. E esse processo está longe de ser saudável.

Vamos deixar de usar as redes sociais?

Não! A ideia é que precisamos reaprender a usá-las, de uma forma menos agressiva.

O que compartilhamos mostra muitas vezes o queríamos ser ou nos tornar e não o que somos de fato.”

Hoje, não temos como saber se algo foi escrito por uma pessoa ou por um robô. Essa tendência só vai aumentar, nós sabemos. Isso é bom? É uma reflexão que todos devemos fazer.

Tudo isso sem falar do FOMO, né? O famoso Fear Of Missing Out, que na verdade, deveria ser:

E se deixássemos de usar TANTO as redes sociais, já pensou em fazer um DETOX? Quais seriam os benefícios?

E se um dia as nossas moedas foram LIKES, hoje elas são as nossas fotos.

Qual a reflexão da primeira palestra (que deixou a gente bem reflexivo, por sinal)?

Precisamos viver a vida, mesmo que ninguém esteja assistindo.

Depois dessa, vamos continuar falando sobre ele, o cérebro!

MARCAS, DADOS E A MAIOR TECNOLOGIA DE TODAS: O CÉREBRO HUMANO

Dados e novas tecnologias para a ativação e comunicação de marcas virou o novo normal. Mas é a cabeça de seres humanos que controla tudo. Profissionais de mídia de excelência discutem o que é Data Mindset.
Apresentador:Paulo Ilha – Media VP, DPZ&T
Debatedores: Eduardo Schaeffer – Diretor de Negócios Integrados, Globo, Marco Bebiano – Diretor de Desenvolvimento de Negócios com Agências, Google Brasil e Federico Goyret – Diretor de Marketing, Renault do Brasil

Tudo está em transformação. Veículos, Agências e Clientes.

Transformação da Agência no ponto de vista de mídia
A transformação mudou muito pelo novo mindset digital. O que não gera valor é commodite e commodite vira custo e vai ser reduzido. Não é apenas sobre comprar mídia digital. É sobre aplicar o pensamento digital, gestão e métricas em todo o processo. E evoluímos de mindset digital para um mindset de dados.

Não existe pós ação, não existe pós venda. Tudo pode ser realimentado e a venda é uma constante.

Mídia tradicional
Começava pela produção conteúdo, que gera audiência e que gera receita. Agora temos um elemento novo que são os dados. Para entender o dados individualizado, por pessoa, temos que mergulhar no digital. Com foco de alimentar o conteúdo próprio e também o conteúdo publicitário, que quanto mais fluído for, mais vai funcionar.

Com o objetivo inicial de atender à Renault, a DPZ&T anuncia a criação da VivaSix, seu novo braço de performance.

Hoje os dados podem guiar as marcas para que os resultados sejam obtidos com maior eficiência, mas é bom lembrar que a regulação sobre a privacidades de dados do consumidor, que entra em vigor em agosto de 2020.

NÃO, NOSSO MERCADO AINDA NÃO É DIGITAL!


Estudo inédito da McKinsey revela que a indústria da comunicação no Brasil ainda tem que comer muitos bites e bits para virar gente grande e forte no mundo digital. Como suplementar essa inanição?
Apresentador: Marcelo Tripoli – Digital Vice, McKinsey
Debatedores: Igor Puga – Diretor de Marketing e Marca, Banco Santander e Othon Vela – Diretor de Marketing, Via Varejo

A performance no Santander, está muito mais nos dados gerados decorrentes de testes feitos pela companhia, do que com ferramentas que tragam mais dados das pessoas na internet.

Alguns mercados têm mais facilidade em ter maturidade digital, porque a cultura da indústria que veio antes do digital, já pensava em comissão, em jornada, em personalização, como o mercado financeiro, por exemplo. Pois este mercado, cria o produto e vende, então não ter uma jornada do consumidor bem estabelecida o banco já tinha quebrado. O que é totalmente diferente para uma empresa de alimentos, por exemplo.

A concorrência interna, move montanhas. Uma visão de TI, por Squad e não de VP de TI, pois não é mais ele que define como cada setor crescerá.

Agências precisam ser cada dia a mais cúmplices dos problemas dos clientes.

LIDERANDO A MUDANÇA: APRENDENDO A APRENDER


Espera-se de nós cada vez mais criatividade e inovação. Nosso maior desafio é combinar o potencial das tecnologias exponenciais e da inteligência artificial com nossas forças humanas e inteligência emocional. Aprendizagem adaptativa é a resposta, para pessoas e empresas, nesta nova humanidade aumentada.
Tim Lucas – Palestrante e Líder de Negócios, Hyper Island

Nossa capacidade de apenas observar é limitada. Partimos direto para o julgamento. A IA não sabe ler contexto, ela vê coisas literais, pois isso ainda demora essa evolução de interpretação.

As coisas acontecem na loja, só lá você irá aprender de fato o que precisa fazer.

Comece resolvendo o problema de 1 pessoa, depois escala a solução. Se tentar resolver um problema de massa, dificilmente irá conseguir.

GERAÇÃO Z E O FUTURO DO TRABALHO

A geração Z, os nascidos de 1995 a 2010, se tornará o maior grupo populacional do planeta ainda este ano. Em 2020, já ocupará mais de 20% dos postos de trabalho, demandando mudanças contundentes tanto nas estruturas e processos corporativos quanto nas relações profissionais. Como as empresas da indústria da comunicação podem continuar atraentes para os talentos dessa primeira geração totalmente nativa digital?
Cintia Gonçalves – Sócia e CSO, AlmapBBDO

Somos afetados por mudanças políticas e tecnologias, mais do que nunca. O Z da Geração Z vem de ZAP = agilidade, rapidez e energia.

Durante essa palestra, fizemos um teste ao vivo. Dá uma olhada:

Aqui estão os resultados de todas as perguntas:

O papo sobre gerações, é menos sobre rótulo, mais sobre pano de fundo. Não se prenda a esteriótipos.

3 layers que influenciam no dia a dia da Geração Z:

É uma geração mais pé no chão. 77% acredita que vai ter que se esforçar mais profissionalmente para se realizar, do que as gerações anteriores.

Querem empresas que tenha um propósito e que possibilitem a ele a eles devolverem algo para a sociedade.

Quais são os benefícios que espera da empresa:
38% cuidados com a saúde
34% mentoria
10% trabalho remoto
13.5% tempo livre

Pesquisa da: Delloite

  • 79% deseja trabalhar em médias e grandes empresas
  • 14% declaram stratup como objetivo de trabalho

“A boa empresa é aquela que investe no meu futuro” foi a respostas de muitas pessoas da Geração Z.

  • Eles são aprendizes rápidos.
  • Eles têm diferentes experiências do conhecer.
  • 96% deles acham que um bom líder é aquele que busca o desenvolvimento da sua equipe e compartilha conhecimento a todo instante.
  • É a geração mais inclusiva da história.

Diversidade no ambiente de trabalho tem muito a ver com a questão social. Além de trazer criatividade e inovação.

Hierarquia se dá pelo conhecimento e não pelo cargo. Será o líder quem entende mais sobre o assunto do que está se falando no momento.

Líder é…

  • 96% busca o desenvolvimento da equipe
  • 95% trabalha junto com o seu time
  • 95% compartilha conhecimento
  • 70% fala nós e não eu

AI para geração do passado é “quantos robos vão roubar quantos empregos”. AI para geração Z esse papo não existe.

O melhor mundo é o humano!

ABRINDO O JOGO: AGÊNCIAS EM QUESTÃO

Sem papas na língua, dois dos mais destacados líderes de agências do País, discutem onde as agências precisam buscar mais relevância e entrar como protagonistas no jogo da inovação e transformação dos negócios dos clientes.
Fernando Musa – Chief Executive, Grupo Ogilvy Brasil e Hugo Rodrigues – Chairman & CEO, WMcCann
Moderador: Alexandre Zaghi Lemos – Editor-Chefe, Meio & Mensagem

O brasil é um país de extremos, ou é zero ou é 10, nunca é 7.
Quando você está em um ecossistema de mudança as pessoas querem falar sobre mudanças, o marketing e a publicidade ficaram 50 anos de boas, mas hoje não é mais.

A gente não pode evoluir destruindo, tá tudo em transformação, não é só a publicidade. E não quer dizer que fizemos errado no passado, mas temos que fazer diferente.

As agências não podem ter o onus da culpa da mudança, a mudança é de todo mundo, agência, veículo, anunciantes.

Tem uma nova geração entrando no mercado, a agência precisa estar preparada para receber essa galera. (se liguem agências!)

O melhor modelo, é aquele que seja transparente para todos, e que seja rentável para ambos. Não tem como achar um modelo, quando você trabalha em um ecossistema que muda toda hora, pois mesmo que se ache ele agora, amanhã ele ta defasado.

O melhor modelo, é aquele que entrega o melhor para o que o cliente quer e precisa.

Temos que aprender hoje para sobreviver amanhã e não para sobreviver nos próximos anos, porque vai mudar e nós sabemos disso. As marcas estão entendendo também que serão empresas de comunicação, além do que já fazem, como a AMBEV está fazendo, por exemplo.

A agência tem que ser cada vez mais Tailor Made.

David fez a campanha do BK, chamando casting da campanha do BB que foi boicotado, acha que o que eles fizeram foi muito mais sobre os movimentos da sociedade, a publicidade tem o papel de trazer a diversidade. A publicidade tem que retratar a vida das pessoas.

O FIM DA IDADE MÉDIA E O INÍCIO DA IDADE MÍDIA

O fim da Idade Média acontece apenas agora. Antes, éramos avaliados pela média e pelos protocolos genéricos. Graças à tecnologia e à inovação, agora, cada um de nós é todo um universo à parte. Únicos, nos tornamos agentes de mídia, transformadores sociais como nunca.
Walter Longo – CEO, Unimark e Sócio, BBL Games

A idade média está acabando na verdade somente agora, porque até hoje tudo que a gente faz ou fazia, era analisado ou orientado pela média da população, tudo era pela cultura mediana.

Exemplo: as taxas de juros, são avaliadas pelo número de inadimplentes e não pelo adimplentes. E isso está mudando.

Tudo é feito pela média das pessoas. E estamos saindo para uma idade personalizada, e ai vem o fim da idade média, e tudo isso com vinda do big data. Estamos deixando a idade média e entrando na idade mídia, onde somos respeitados na nossa individualidade.

Estamos no momento Wearables, o que vamos usar para gerar dados do nosso corpo.

Inicio da idade mídia, foi o dia em que foi quebrado do software e do hardware, mais que um lançamento de um novo device, isso gerou uma nova forma de ver o mundo. Isso aconteceu com várias coisas, como o celular, por exemplo. A cada dia que passa ele vai aprendendo novos truques.

A visão que o imutável pode ser mudado e até melhorado, fez tudo mudar.

A customização mimou as pessoas, pois nos fez entender que somos indivíduos que temos temos e vontades diferentes. Agora é tudo para personalizado para todos.

Hoje temos assentos de carro que se moldam a nós, porque hoje os produtos precisam se moldar para individualização de todos nós.

Antes a gente comprava da loja mais próxima, agora podemos comprar de qualquer loja do mundo todo. E tudo vai continuar evoluindo de forma dramática.

As bicicletas antes a gente achava muito moderno poder pegar na rua e largar nos pontos do itau, agora a gente pega a bicicleta e larga onde quiser, onde acharmos que devemos e precisamos.

Antigamente usávamos P, M e G. Agora as roupas vão se adaptar ao nosso tamanho e compraremos de acordo com as nossas medidas.

Agora com a idade mídia há uma nova premissa básica, não tem como agência ter um mesmo modelo para todos, tenho que criar um modelo para aquele clientes de acordo com o que ele precisa e com a maturidade de entendimento dele do mkt da empresa.

Temos que tratar desigualmente pessoas e empresas que sempre foram aparentemente iguais.

Hoje em dia temos que correr para não sair do lugar. Não é mais só para crescer. Trocamos o mundo da atenção para o mundo da distração. O foco tá cada vez mais pulverizado. Atenção e engajamento são cada vez mais escasso.

O que queremos em uma academia?

Da customização em massa para a individualização.

Criar algo para média hoje significa criar algo para ninguém.O Big Data é a chave que abre todas as portas da idade mídia.

Pessoa não são, pessoas estão.

Como usar o bigdata neste cenário ?

Passamos de ROI para ROL – Retorn of Learning

Bom, foi INCRÍVEL mas acabou 🙁

Vivemos 2 dias super legais em São Paulo no ProXXIma, a convite da nossa super parceira Squid. Tivemos uma experiência muito válida e de muito aprendizado por aqui. o/

Curtiu o post? Envia pra galera ler também 😉


Talvez você possa gostar